A constituição de uma política de acompanhamento de egressos.

A proposta de nosso Programa tem atraído candidatas e candidatos de diversas áreas de formação em graduação, com uma diversidade expressiva também em suas experiências de atuação e origem/pertencimento territorial. Já recebemos em nosso PPG, discentes oriundos de graduações como Administração, Antropologia, Arquitetura, Artes, Cenografia, Ciências Sociais, Cinema, Comunicação Social, Direito, Economia, Educação, Educação Física, Estudos de Mídia, Fine Art, Geografia, História, Jornalismo, Letras, Pedagogia, Publicidade, Produção Cultural, Psicologia, Relações Internacionais, Serviço Social, Sociologia, Terapia Ocupacional, Turismo. A maioria de nossos discentes e egressos são oriundos do Estado do Rio de Janeiro, alguns deles residentes de cidades fora do eixo metropolitano, como a Baixada Fluminense, e Norte e Sul Fluminense. Também recebemos interessados de estados da Federação como Bahia, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, São Paulo, e de países como Argentina, Chile, Colômbia e Angola.

Entendemos ser de experiência incomum aos nossos discentes experimentar os diálogos que são produzidos de áreas originárias das mais diversas, e entendemos que é justamente por tratar-se de um PPG com vínculos à Grande Área Interdisciplinar que isso se faz possível.

Importante destacar um traço geral do perfil de nossos candidatos: muitos são oriundos de setores populares, ou atuam junto a esses setores, com pesquisas relacionadas às suas formas de inserção e ativismo (reflexões sobre periferias, favelas, bairros suburbanos, Baixada Fluminense; pesquisas sobre as expressões artísticas e culturas populares, incluindo dança, música, produções audiovisuais etc.; reflexões sobre os eixos interseccionais de classe, raça, gênero; pesquisas sobre movimentos sociais, coletivos, centros culturais e formas orgânicas de articulação política etc.). Da mesma forma, muitos de nossos candidatos e posteriores discentes atuam em setores públicos e privados ligados à implementação de políticas públicas, gestão e projetos pedagógicos no campo da cultura, o que indica uma demanda por formação acadêmica como complemento a uma prática profissional com impacto claro na vida pública (como demonstram as inúmeras pesquisas desenvolvidas no PPCULT sobre gestão, educação e política cultural em níveis municipais, regionais e nacionais, bem como sobre múltiplas ações institucionais, públicas ou privadas, no campo da cultura).

Assim, temos tentado uma aproximação mais sistemática com nossos egressos. Ainda que seja comum diminuir-se a intensidade de contatos com ex-alunas e ex-alunos, temos procurado consolidar algumas pequenas ações para estreitamento desses laços. É importante conhecer as trajetórias posteriores de nossos mestres e mestras, para que possamos verificar se a formação pretendida espelha-se em sua vida profissional, ao mesmo passo em que estimular nossos egressos à avaliação de nosso PPG pode oferecer-nos dimensões concretas para inserir melhorias contínuas no processo de ensino.

Ademais, trata-se de um Programa de Pós-Graduação cujo tema central interage incisivamente com o campo da cultura. Como tal, reconhecemos que se trata de um universo de intenso dinamismo interno. Ao investigar a vida profissional de nossos egressos podemos também mapear situações em que este dinamismo peculiar do campo cultural possa ser reconhecido, oferecendo-nos possibilidades de readequação de nosso projeto pedagógico, atualização de nossos temas de pesquisas, ampliação de nosso escopo de debates.

Acerca das responsabilidades sobre a política de acompanhamento de egressos: foi criado um Grupo de Trabalho, formados pelos docentes Ana Enne e Mauro Amoroso, e pelos egressos Ohana Boy, Rodrigo Cotrim e Julia Motta. Este GT atua junto à Coordenação do Curso, ao Colegiado, e em diálogo com os GTs Planejamento Estratégico e Autoavaliação, para efetivação das ações.


Informações gerais sobre nossos egressos

Nossos egressos vêm se colocando na maior amplitude do mercado de trabalho, indo do primeiro ao quarto setor, como também investindo na continuidade de sua carreira acadêmica.

É preciso destacar, ainda, o evidente amadurecimento gradual de seu corpo docente no quadriênio avaliado, implicando em uma crescente capacitação para as atividades de ensino, pesquisa, orientação, participação em bancas e em redes de colaboração, dentre outros processos complexos, os quais temos ampliado de forma decisiva no quadriênio 2017-2020.

No caso do primeiro setor, é notável a presença de nossos egressos em múltiplos órgãos públicos, sejam dedicados à gestão cultural (uma das frentes de nosso trabalho) ou em outros. Quanto ao primeiro, percebemos a presença de mestras e mestres oriundos de nosso Programa de Pós-Graduação na Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, na Secretaria Municipal de Cultura de Niterói, na Fundação de Arte de Niterói, na Secretaria Municipal de Cultura de Paraty, além da participação de egressos no Comitê Gestor da Política Municipal de Cultura Viva de Niterói, no Conselho Municipal de Políticas Culturais de Niterói, e na presidência do Conselho Estadual de Política Cultural do Rio de Janeiro.

Também é possível encontrar egressos de nosso curso atuando em órgãos que produzem ou instruem diferentes gestões em políticas públicas, tais como a Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro, o Ministério da Saúde, Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e Fundação Oswaldo Cruz. Além disso, encontram-se também em progressão um número razoável de egressos aprovados em concurso público em carreira de técnicos-administrativos em Universidades Federais, tais como a Universidade Federal Fluminense (UFF), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Além disso, vemos muitos de nossos egressos adensando sua presença no trabalho acadêmico e na carreira discente. Até o final de 2020, 23 de nossos 114 egressos já participam ou participaram (já como doutores) em programas de doutorado, uma taxa de 20,2% de nossos egressos, indicando, de forma expressiva, a qualidade de nossa formação e a demanda, por parte dos egressos, pela continuidade das pesquisas e reflexões em nível de doutoramento.

Os egressos ampliaram também suas redes de participação em grupos de pesquisa e extensão de diversas universidades brasileiras e internacionais, tais como o Museu Nacional – UFRJ, a ECO/UFRJ, a UFPE, a Universidade Regional do Cariri (URCA), o Instituto Nacional de Ciência, Tecnologia e Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa – Universidade de Brasília, a UNIRIO/Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), o Instituto de Estudos da Religião (ISER), a University of Nottingham, além, obviamente da UFF.

Há também muitas inserções de egressos no magistério superior, tanto em instituições privadas como públicas. Nossos egressos já foram aprovados em concursos como professores substitutos na UFF e UFRJ, e um de nossos egressos é professor do quadro permanente do Instituto Federal de São Paulo. Nas instituições privadas, destaca-se a presença de egressos do PPCULT na Universidade Santa Úrsula, no SENAC RJ, no Centro Universitário Celso Lisboa, na UNIGRANRIO, na Horus Faculdades, e na Faculdade Sumaré.

Uma de nossas preocupações no PPCULT é, sem dúvida, ampliar a interação com a Educação Básica. Muitos de nossos egressos são docentes ou atuam na gestão educacional oriundos do ensino fundamental e médio de instituições públicas e privadas, como o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, o Colégio Pedro II, Sincroniza Educação, Escola Dínamis, entre outras.

Os egressos do curso também conquistaram espaço no segundo setor e terceiro setores, em especial ocupando postos de trabalho ligados à organização da cultura e da comunicação. Entre as muitas, destacam-se a Rede Globo, o Instituto Alvorada Brasil, a GeoProduções Culturais, o Instituto Silo Cultural, e o B3 Media, na Inglaterra. Além destes, destacam-se também a participação de egressos em equipamentos culturais, públicos e privados, tais como o Museu de Arte do Rio, o Teatro Popular Oscar Niemeyer, o Centro Cultural Donana, a Associación Cultural Crear en Libertad, do Paraguai. Além disso, vários de nossos egressos compõem atuação em organizações não-governamentais e movimentos sociais.

Entendemos também que nossos egressos têm presença relevante e inovadora no que alguns autores configuram como setor quaternário (de forma sintética, uma coincidência entre os setores secundário e terciário) e nas canastras produtivas da economia da cultura.  Dialogam com esta perspectiva diversas iniciativas com participação de nossos egressos, incluindo aquelas que operam na interação empresa/inovação e empreendedorismo social. Destacam-se a GatoMÍDIA, a AWA - workshop de Comunicação Criativa, o DATALABE Maré, o Norte Comum, a Ponte Plural, a incubadora Nós de Rede, a Olabi, e a PretaLab, entre outras.